O Brasil registrou em julho a contratação líquida de 131.010 trabalhadores com carteira assinada. Foram 1.043.650 admissões contra 912.640 desligamentos no período. Os dados constam do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e foram divulgados nesta 6ª feira (21.ago.2020) pelo Ministério da Economia.

Houve saldo positivo de contratações em 24 das 27 unidades da Federação. Julho interrompe uma sequência de 4 meses consecutivos de queda nos postos de trabalho com carteira assinada. Os dados oficiais também apontam que esse foi o melhor resultado para o mês desde 2012, quando foi registrado a contratação de 142.496 trabalhadores com carteira assinada.

A criação de novos empregos foi maior no setor industrial, seguido pelo de construção. Já a categoria de serviços foi a que apresentou menor saldo na comparação com o mês anterior. O saldo é calculado pela quantidade de contratações subtraídas do total de número de demissões.

Eis os saldos registrados em cada categoria:

  • Indústria: 53.590 empregos;
  • Construção: 41.986 empregos;
  • Comércio: 28.383 empregos;
  • Agropecuário: 23.087 empregos;
  • Serviços: -15.948. Em junho, esse número foi de -50.345.

A região Sudeste foi a que mais abriu vagas em julho, com 34.157 pessoas contratadas. Em seguida, as regiões Nordeste (22.664), Sul (20.128), Centro-Oeste (14.084) e Norte (13.297).

O ministro Paulo Guedes (Economia) comentou os resultados durante live realizada nesta 6ª feira. “Temos uma notícia extraordinária. Criamos liquidamente 130 mil empregos”, afirmou.

“Retornamos o ritmo de criação de empregos na economia. Está se confirmando uma hipótese de trabalho nossa desde o início. Primeiro, que o Brasil ia cair menos do que estava sendo previsto. Organizações internacionais, bancos locais, todos estavam estimando a queda do PIB brasileiro em torno de 10%. O FMI 1 pouco abaixo, alguns bancos privados acima de 10%. E nós dissemos na época que é muito difícil que esses modelos de previsão funcionem”, disse o ministro.

Guedes disse que considerava as previsões do mercado financeiro como “excessivas”, e explicou que em momentos de “mudança de regime”, em referência à pandemia da covid-19, os parâmetros conhecidos ficam instáveis.

Para o ministro, os resultados divulgados pelo Caged mostram que há uma tendência de queda menor de índices importantes, como o do PIB (Produto Interno Bruto), do que a calculada pelos operadores do mercado.

“As revisões estão agora confirmando que o PIB brasileiro pode cair 4%, praticamente a metade do que tinha sido previsto antes. E o consumo de energia elétrica, arrecadação de impostos, o padrão está sendo o mesmo em todas essas dimensões e, agora, o dado que é mais importante, que é a criação de empregos. Todos esses dados têm saído com padrão semelhante.” 

Na análise da criação de empregos formais, Guedes afirma que a queda no início da crise do coronavírus foi abrupta e que a volta será lenta, “mas ela é segura”.

(Fonte: PODER360)

Nós apoiamos

Nossos parceiros