O presidente da Casa da Moeda, Eduardo Sampaio, declarou nesta quarta-feira (12) que a empresa tem gastos excessivos com funcionários e que precisa passar por um processo de modernização. Sampaio esteve em audiência pública promovida pela comissão mista que analisa a MP (Medida Provisória) 902/19, que retira da Casa da Moeda o monopólio na fabricação de papel moeda, moedas metálicas e passaportes. Na Agência Senado

mp 902 privatizacao casa da moeda
Audiência pública promovida nesta quarta-feira (12) discutiu a privatização da instituição na comissão que analisa MP 902/19 | Roque de Sá | Agência Senado

Ele admitiu, em audiência pública realizada no âmbito da comissão mista, que análisa a MP 902/19, que a estatal deve ser modernizada, mas para isso acontecer será necessário o apoio de empresas privadas.

“A Casa da Moeda hoje tem um custo de pessoal muito elevado, em torno de 500 funcionários a mais do que deveria ter, mas faltam profissionais com qualificações em áreas de novos produtos, produtos digitais. A gente poderia estar crescendo justamente nessa linha de produtos, rastreabilidade, que é uma linha de negócio interessante. A gente vem fazendo esforços para desenvolver, mas achamos que para obter resultados rápidos nesse sentido, a empresa precisa fazer algum tipo de parceria com outras empresas privadas”, explicou.

O secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, reiterou a intenção do governo de reestruturar a empresa para melhorar a prestação do serviço. Ele disse que o fim do monopólio na produção de papel moeda pode ajudar a diminuir os custos.

“Além dos empregados, nós queremos desonerar o cidadão. É histórico que todo monopólio se torna ineficiente, improdutivo, porque não tem concorrência e acaba se perdendo”, avaliou.

A MP 902 diz que a produção de papel moeda, moedas metálicas e passaportes ficará a cargo da Casa da Moeda até 2023. A Receita Federal vai ficar responsável por habilitar e definir os parâmetros para as empresas que que vão compartilhar as funções da estatal. A medida também retira a exclusividade da Casa da Moeda para impressão de selos postais e controle fiscal da fabricação de cigarros.

Análise da notícia
Os gestores das estatais indicados pelo governo Bolsonaro não foram indicados para gerir as empresas. Foram alocados nas instituições, tudo indica, é o que parece, para destruí-las por dentro.

Parece ser o caso do atual presidente da Casa da Moeda do Brasil, que comparece à reunião de audiência pública no Senado Federal não para defender a instituição, mas para concordar com sua destruição, por meio de privatização, no lógica da redução tamanho e do papel do Estado brasileiro. (Com Agência Senado)

Nós apoiamos

Nossos parceiros