João Guilherme Vargas Neto: 4 x 4

Share

Um viva para os quatro feitos, preocupemo-nos com os quatro perigos.

João Guilherme Vargas Neto*

Depois de várias entrevistas, discussões com dirigentes e reuniões com importantes organizações do movimento sindical apresento a lista do que considero os quatro grandes feitos sindicais em 2017 e as minhas quatro maiores preocupações para 2018.

O ano sindical de 2017 foi muito pesado e muito negativo em sua totalidade, uma cordilheira com altos e baixos e descidas vertiginosas e acidentadas.

Destaco os quatro pontos altos:

1) segundo o Dieese, a maioria dos acordos e convenções firmados em 2017 garantiu às categorias aumentos reais de salários e manutenção das cláusulas sociais; o número de greves manteve-se no mesmo patamar dos anos anteriores. Em todas as negociações em que o patronato tentou introduzir os novos termos da lei celerada o movimento sindical dos trabalhadores, com sua resistência, foi vitorioso;

2) a unidade de ação das centrais sindicais e as grandes mobilizações do primeiro semestre;

3) a criação do Brasil Metalúrgico e o seu grande papel unitário na condução das negociações dos metalúrgicos e no estabelecimento de 1 pauta unitária da categoria, com mobilizações;

4) o trabalho do Centro de Memória Sindical ao comemorar os 100 anos da greve geral de 1917 pautando sindicatos, a academia e veículos de comunicação sobre a importância da memória das lutas sindicais do passado para as lutas de hoje.

As minhas quatro grandes preocupações em 2018 serão:

1) a baixa e lenta recuperação econômica, conjugada com a anarquia nas relações do trabalho provocada pela lei celerada, com retrocesso de direitos;

2) a desconfiança da base dos trabalhadores apreensiva em relação à situação e às direções sindicais, acarretando dessindicalização;

3) o aperto financeiro nas entidades que pode levar a iniciativas que agravam o quadro de estranhamento entre a base e as direções. Com as dificuldades cresce a pressão divisionista do “salve-se quem puder”, com a unidade de ação formal perdendo força;

4) mergulhado o movimento sindical na confusão reinante no mundo político pode haver o exagero de candidaturas eleitorais de dirigentes sindicais, reforçando a falsa ideia da “bancada sindical” e contribuindo com a divisão real do movimento, em lugar de fortalecer alianças programáticas com postulantes partidários e os próprios partidos.

Um viva para os quatro feitos, preocupemo-nos com os quatro perigos.

(*) Membro do corpo técnico do Diap é consultor sindical de diversas entidades

Nós apoiamos

Nossos parceiros