Eunício defende complementação da Reforma Trabalhista por MP

Share

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) defendeu, nesta terça-feira (14), o envio imediato, pelo Executivo, de uma medida provisória para complementar pontos da Reforma Trabalhista (Lei 13.467/17) que entrou em vigor no último sábado (11). Segundo o senador, apesar de preferir que a legislação seja criada ou alterada por projetos de lei, nesse caso a MP seria mais efetiva para o cumprimento do acordo firmado entre o Senado e o Planalto na votação do PLC 38/17. Na Agência Senado

Marcos Brandão | Senado Federal
Eunicio MP Trabalhista

“Se depender de mim, o Presidente encaminha ainda hoje a medida provisória porque foi esse o compromisso. Todo mundo está esperando, a lei entrou em vigor. E qual a lei que entrou em vigor? A que vai contemplar na medida provisória o que foi negociado ou apenas o que foi sancionado? As pessoas estão esperando por isso, não podemos deixar o Brasil nessa berlinda, esperamos quase 40 dias para a lei entrar em vigor e agora a lei entra sem ninguém saber como vai ser complementada”, afirmou Eunício.

Leia mais:
RT: Instituto Lavoro promove 2º Seminário Internacional

Nova Lei Trabalhista em vigor; Paim prevê ‘milhares de emendas’ à MP que deve alterá-la em alguns pontos

Cartilha DIAP: perguntas e respostas s/ Reforma Trabalhista

João Guilherme Vargas Netto: Errar duas vezes

Reforma Trabalhista: vale a Lei ou o Direito? Por A. Queiroz

A Justiça para sanar retrocessos da Reforma Trabalhista

Durante a votação do PLC 38/17, o líder do governo no Senado, senador Romero Jucá (PMDB-RR), negociou procedimentos para que o Senado acatasse o projeto que alterou a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) como veio da Câmara dos Deputados. Pontos polêmicos como o que permite o trabalho de grávidas em atividades insalubres seriam vetados e uma legislação complementar viria por meio de medida provisória, mas até agora não houve iniciativas nesse sentido.

“Seria extremamente deselegante com o Senado que o compromisso feito pelo líder do governo, em nome do governo, que isso não se concretizasse. Isso seria muito ruim para a relação de confiança que precisa ser estabelecida, de harmonia e independência, mas de confiança nas negociações entre os poderes, transparente e republicanamente”, ponderou.

Nós apoiamos

Nossos parceiros