Brasil segue desigual

Share

Cinco bilionários do Brasil têm um patrimônio equivalente ao da metade mais pobre da população brasileira.

Miguel Torres*

É o que diz um recente relatório da Oxfam, confederação de ONGs presente em 94 países, que trabalha para a redução da desigualdade.

Segundo a pesquisa, “o patrimônio somado dos bilionários brasileiros chegou a R$ 549 bilhões em 2017, num crescimento de 13% em relação ao ano anterior. Ao mesmo tempo, os 50% mais pobres do País viram sua fatia da renda nacional ser reduzida ainda mais, de 2,7% para 2%”.

Estes números revelam que, infelizmente, o Brasil segue a tendência mundial, com uma elite econômica acumulando vastas fortunas e a maioria da população lutando para sobreviver com baixos salários. “De toda a riqueza gerada no mundo em 2017, 82% foi parar nas mãos do 1% mais rico do planeta. Enquanto isso, a metade mais pobre da população global – 3,7 bilhões de pessoas – não ficou com nada”.

Nossa situação foi piorada com a atual crise e as medidas do governo – com apoio de poderosos aliados no Congresso Nacional – que prejudicam somente a classe trabalhadora e a população mais pobre. Aliás, desde sempre criticamos o congelamento dos investimentos sociais em saúde e educação, a terceirização que precariza o trabalho e reduz renda e a falta de incentivos no setor produtivo e na indústria nacional.

Por isto, estamos na luta para impedir a aplicação da deforma trabalhista nas Convenções e acordos coletivos das categorias e vamos agir forte contra a reforma governista da Previdência que, ser for aprovada, praticamente acabará com as aposentadorias públicas e irá piorar ainda mais a situação econômica de nosso povo.

O movimento sindical é fundamental nesta luta e, portanto, precisamos estar cada vez mais unidos para mobilizar a classe trabalhadora em defesa da retomada do desenvolvimento: com manutenção e ampliação dos direitos trabalhistas, sociais e previdenciários, trabalho decente, salários dignos e distribuição das riquezas e da renda. Sem luta, união e consciência de classe não é possível reduzir a desigualdade e tornar o mundo e o Brasil mais justos e melhores!

(*) Presidente da CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos) e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes e vice-presidente da Força Sindical

Nós apoiamos

Nossos parceiros