Ditadura política: além de fragilizar, governo exige interferência na proteção do trabalhador

Share

Essa ditadura política, imposta pelo governo, gera profundo prejuízo ao trabalho histórico desenvolvido pelas entidades sindicais no âmbito da assistência social, administrativa e jurídica destinada aos trabalhadores e a seus familiares.

Carlos Alberto Schmitt de Azevedo*

Apesar de a Constituição proibir qualquer tipo de interferência do governo na luta sindical em defesa do trabalhador, conforme estabelece o artigo 8º, o governo do presidente Michel Temer (PMDB) quer se apropriar da arrecadação e destinação de um recurso que é por direito, único e exclusivo, dos trabalhadores.

Muito além de permitir a aprovação de uma lei que autoriza a precarização nas relações de trabalho, o governo ainda pretende abocanhar o financiamento que garante há décadas o avanço de direitos da classe trabalhadora. E o pior, o governo quer impor que uma lei se sobreponha à Constituição, o que não é permitido.

Nesse processo, os trabalhadores, sem dúvida, são os mais prejudicados, tanto pela clara desproteção quanto pelo efeito cascata que irá provocar o aumento da taxa de desemprego no País. Tamanha é a incoerência do discurso do governo em “modernizar a legislação trabalhista”, que a precarização das relações de trabalho iniciou no próprio serviço público, por meio do Programa de Desligamento Voluntário (PDV).

É a primeira vez na história do Brasil que a tirania de um governo massacra a proteção mínima de jornada, salário, igualdade de tratamento e garantia de trabalho digno. Em outras palavras, a sociedade está fadada a reexperimentar a realidade do século 19.

Essa ditadura política, imposta pelo governo, gera profundo prejuízo ao trabalho histórico desenvolvido pelas entidades sindicais no âmbito da assistência social, administrativa e jurídica destinada aos trabalhadores e a seus familiares. Muito além de tentar fragilizar as entidades, o governo investe na morte da proteção aos trabalhadores.

(*) Presidente da Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL)

Nós apoiamos

Nossos parceiros