Série Eleições 2018: estrutura de campanha

Share

A estrutura da campanha inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, TV e jornais.

Antônio Augusto de Queiroz*

Para os candidatos — tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital (DF) e federal) — que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em 4 grandes núcleos de apoio:

1) marketing;

2) política;

3) material de campanha; e

4) atividades de rua.

Leia também:
Série Eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing

Série Eleições 2018: planejamento da campanha

Série Eleições 2018: condições para ser candidato em eleições no Brasil

Série Eleições 2018: leitura crítica da mídia no processo eleitoral

Série Eleições 2018: motivações e fatores-chave para o sucesso eleitoral

Série Eleições 2018: combate à corrupção eleitoral e ética na política

Série Eleições 2018: atributos do candidato

Serie Eleições 2018: priorizar o resgate da política

Série Eleições 2018: o voto consciente

Coordenação de marketing. Cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor.

Coordenação Política. Será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato.

Coordenação de material de campanha. Cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional.

Coordenação das atividades de rua. Será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades.

A campanha ou o comitê não poderá prescindir de 1 coordenador administrativo e financeiro e de 1 bom consultor jurídico. O 1º para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O 2º para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta.

A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, TV e jornais.

Este texto é parte integrante da Cartilha, de nossa autoria, que trata das “Eleições Gerais 2018: orientação a candidatos e eleitores”.

(*) Jornalista, consultor, analista político e diretor de Documentação do Diap

Nós apoiamos

Nossos parceiros