Projeto 'Carta de um brasileiro' será entregue a presidente Dilma Rousseff

Share

Backer Ribeiro Fernandes é professor universitário e um sonhador. Ele tem uma missão: caminhar de São Paulo a Brasília anotando o que os brasileiros acham que deve ser prioridade no governo da presidente Dilma Rousseff.

"Eu acho que ela tem que conciliar: são esses três pilares, que é a economia, o social e o ambiental. É o tripé do desenvolvimento sustentável", explica Backer.

O professor deu o primeiro passo no dia 21 de novembro, na Praça da Sé, em São Paulo, com a seguinte pergunta: o que você diria se pudesse ficar frente a frente com a primeira mulher presidente da República?

Quatrocentos e cinquenta quilômetros de caminhada. Depois, Igarapava, São Paulo. No pedido deste atendente de farmácia, uma preocupação com a educação.

"A escola tem que ser democrática. A relação tem que ser democrática, mas tem que resgatar o valor do professor. E aí, eu penso que o pontapé inicial começa com o salário. O sujeito vai pra sala mais motivado", declara.

A jornada de Backer é de 1,4 mil km, 40 dias de caminhada, passando por 27 cidades de três estados: além de São Paulo, Minas Gerais e Goiás, até o Distrito Federal.

"Quem deu essa profundidade para esses pedidos, para gente entender o que o brasileiro pediria para a presidente Dilma e porque é nessas entrevistas, é nesse bate-papo, nessa conversa que você tem com as pessoas na rua", conta Backer.

Caminhando, o professor chega a Uberlândia, Minas Gerais. Hora de ouvir o que os índios esperam do novo governo. "Material vem com Chico, neste domingo (2), diz que ela deve ter um outro olhar sobre as terras indígenas", conta o índio.

O projeto
Estes desejos que ganham forma no projeto 'Carta de um Brasileiro' serão entregues pessoalmente pelo professor a presidente Dilma. "Passamos 2009 fazendo uma consulta on-line", explica.

O projeto levou em conta uma pesquisa do Ibope feita em 140 cidades, onde os brasileiros apontam emprego, saúde, segurança e educação como prioridades. "Então, depois da pesquisa, veio essa caminhada como uma forma de mobilização, de dar visibilidade, de divulgar"

Depois de 960 km de caminhada, já em Valparaíso, Goiás, Backer encontra Rafael. Um governo que dê mais oportunidades de renda é o que ele espera.

"Salários melhores, pra que possamos levar nossas vidas de uma forma melhor", pede o ajudante de produção Rafael Teodoro da Silva, de 21 anos.

Desejo compartilhado por seu Pedro, nordestino que vive com um salário mínimo por mês. "Pediria um bom emprego e uma casa para morar", diz Pedro.

"Foram tantas histórias, como essa do seu Pedro, caseiro, longe dos filhos, longe da família. Muito pouco pra ele se sentir realizado", informa Backer.

Ajuda para a pesquisa
Poucos não são os esforços do professor Backer e das cinco pessoas que deixaram tudo - trabalho, casa, família - para anotar os pedidos do povo para a presidente Dilma. Todos os dias eles cumprem um percurso de 35 km.

"A gente tem levado essa rotina, acordando 6h30, 7h. Tomamos um café, fazemos uma caminhada. "

Enquanto o professor Backer anda, a equipe segue numa van e cuida de todos os detalhes. Até dá uma incômoda bolha no pé. E são muitas durante a caminhada.

"A gente é o anjo da guarda dele na rua, na estrada. Agora que aconteceu esse problema no pé, a gente para, vem dar esse apoio", esclarece um homem da equipe.

Rúbia, de 17 anos, moradora de cristalina, em Goiás, também sabe o que quer. "Leis mais rigorosas e mais policiamento, porque a gente não tem proteção, a gente não pode sair com segurança mais nas ruas, porque a qualquer hora pode acontecer alguma fatalidade", diz.

A 70 km dali, outra parada. Em Luziânia, Goiás, Backer encontra uma mulher que vende o corpo em troca de dinheiro. Mãe de três filhos, viúva. E um desejo: "Emprego, para trabalhar", conta.

Saúde como prioridade
Saúde. Essa também é uma preocupação que o professor encontrou no meio do caminho.

"Eu estou pedindo aqui pra presidenta Dilma Rousseff, gostaria que ela olhasse mais pelo lado da saúde, principalmente no entorno aqui de Brasília, que a população sofre muito. Muitas vezes tem que ir para Brasília, Gama, que não comporta a população, falta hospital com mais médicos", conta o radialista Divino Amaral.

Pela estrada afora, os idosos não foram esquecidos. "Querida presidente, mais respeito com os idosos, é o que eu estou pedindo, a oportunidade no mercado de trabalho", pede a merendeira Cleonita do Nascimento.

"A última caminhada desse projeto Carta de um Brasileiro. Vamos chegar na divisa Goiás, Distrito Federal, a gente cumprindo nossa missão. Muita emoção, muitas recordações. Sei que esses passos aqui até a divisa encerram uma ideia concretizada, uma grande experiência de vida pra todos nós", diz Backer.

Na última quinta-feira (30), o professor Backer chega a Brasília. Mais de mil quilômetros andados, cansaço e emoção. "Chegamos. Eu nunca tive uma dúvida, chegamos!", comemora.

"Vou falar pra ela: é muita expectativa, muita esperança nesse governo dela. Eu acho que pode ver de perto tudo o que ela deveria ter visto aí. Acho que nós podemos traduzir para ela tudo isso que a gente vivenciou aí. Na verdade, o caminho que a gente construiu".

Enfim, o dever cumprido! O professor Becker vai ser recebido essa semana pela presidente Dilma. Antes, ele participou da posse, em Brasília. (Fonte: Fantástico)

Nós apoiamos

Nossos parceiros