Estado de Minas pagará piso nacional a professor em 2011, diz Anastasia

Share

Por César Felício,
No Valor Econômico


O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB) anunciou, nesta segunda-feira (14), que promoverá aumentos salariais ao magistério para enquadrar o Estado, a partir de março do ano que vem, na legislação de 2008 que estabelece um piso nacional para o professorado. Atualmente, o piso é de R$ 1.024,67. Em Minas Gerais, o salário inicial para a jornada de 24 horas semanais é de R$ 935.

Além de Minas, também estão abaixo do piso as redes do Rio Grande do Sul, Paraíba e Rio Grande do Norte, segundo levantamento publicado pelo jornal "Folha de S. Paulo" em abril. De acordo com pesquisa feita pelo Ministério da Educação em outubro de 2009, o salário médio do professorado em Minas era de R$ 1.443, o 13º lugar no Brasil.

"O novo sistema provocará um impacto de 24,5% sobre a folha dos professores e uma despesa adicional de R$ 1,3 bilhão. Não há margem para fazer o reajuste este ano, mas em 2011 contamos com o aumento de arrecadação", afirmou o governador.

Segundo o último balanço divulgado pelo Governo mineiro, o estado está comprometendo 46,53% da receita corrente líquida com o pagamento da folha, ou 0,02% abaixo do limite prudencial estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

O Orçamento deste ano prevê uma arrecadação de R$ 24 bilhões de ICMS, mas já se acredita em uma receita de R$ 25 bilhões. Para 2011, as avaliações preliminares do secretário da Fazenda preveem um crescimento de pelo menos 10%.

"Minas em 2011 terminará além do piso nacional", disse Anastasia.

A proposta do Governo estabelece R$ 1.320 de remuneração a partir de março, sem retroatividade, incorporando no salário básico todos os atuais benefícios. Também cria a modalidade de 30 horas de jornada, com remuneração inicial de R$ 1.650. O sindicato dos trabalhadores da categoria (Sind-UTE/MG) deverá discutir a proposta em assembleia nesta quinta-feira (17).

O baixo salário dos professores em Minas Gerais provocou uma greve de 48 dias, encerrada apenas em 26 de maio, que desgastou o Governo. Filiado à CUT, o Sind-UTE promoveu diversas manifestações em eventos políticos que reuniram Anastasia e outras lideranças do PSDB, como o candidato a presidente, José Serra, e o ex-governador Aécio Neves.

A greve terminou após o compromisso por escrito do Governo mineiro de que iria elaborar uma proposta que enquadrasse o Estado na legislação nacional sobre o piso. O acordo estabelece que a proposta do Governo deve ser transformada em projeto de lei e encaminhada à Assembleia Legislativa em cinco dias.

Comentários  

0 #13 rafaela 10-02-2011 17:12
Pelo amor de Deus! Os professores reclamamam de baixos salários mas nao se importam com coerência, coesãoo, gramatica, normas ao escrever um texto, basta dar uma olhadinhas nos que estão aí, será culpa do salário?
0 #12 Joana dArc Mariano Taveira 06-01-2011 19:26
Só ingressa no magistério atualmente os jovens que não têm outra opção.Os cursos de licenciatura estão acabando por falta de alunos.Isto é muito sintomático, Poucos ainda querem ser professor...Ist o porque sua remuneração´é muito aquem ao de outras categorias do mesmo nível de escolaridade.A remuneração de um profissional da educação deve ser condizente com o seu papel;o de formador das novas gerações.ACORDA BRASIL!
0 #11 Aparecida Marli Pereira 06-12-2010 13:12
Sou funcionária pública municipal na cidade de Extrema MG e minha jornada de trabalho é de 30 horas semanais, mas o nosso piso é defasado com relação o do governo, pois o piso inicial do município é de R$ 790,00. Dá até vergonha ter um piso desse numa cidade onde o custo de vida é tão caro.
0 #10 Elizabeth Zei de Assis Ferreira 30-10-2010 07:11
O professor no Brasil não tem valor algum.É vergonhoso o que ganha.
Na época de política, promentem melhores salários,valori zação do professor.Acham q somos idiotas.
Vcs são demagogos, bizarros e mentirosos.Como o BRASIL É UM GRANDE CIRCO, VCS SÃO OS PALHAÇOS.
Para ganhar votos, são capazes de de fazer coisas escabrosas.Beij am as crianças, os idosos pobres, menos favorecidos.
Chega ser hilário.Quando estão no poder nada fazem.esquecem das promessas!Q ridículo!
Bom, estamos no país do faz de conta.......... .......O governo faz q paga, o professor faz q ensina e o aluno faz q aprende!Nosso país é assim, porque vcs políticos,o fazem ser um país do faz de conta.
O futuro do Brasil começa com vcs, né? Tirem as máscaras!
Ninguém respeita mais o professor.Antig amente, víamos um professor passar, dizíamos:Lá vem o PROFESSOR!Hj quando se vê um professor passar, todos dizem:Olha o estado do PROFESSOR!Q vergonha seus políticos!Seus filhos ñ estudam em escola pública, mas sim, em escolas particulares ou em outro país!
Um dia, vcs irão prestar conta a Deus!Ninguém escapa.................
Somos responsáveis por tudo q praticamos.Se plantarmos arroz, ñ vamos colher feijão.Quem planta vento, colhe tempestade!
0 #9 LILIAN MARA 28-08-2010 19:03
NOSSO PISO SALARIAL É VERGONHOSO,A COBRANÇA É MUITO GRANDE,DENTRO DAS ESCOLAS.Esperam os que a assembléia através dos deputados levantem a bandeira dos professores de Minas.
0 #8 Reginaldo 10-08-2010 01:36
Caros colegas, como professor formado (nunca dei aulas antes de me fomrar) saído do magistério em 2005. Hoje tenho muito receio em retornar a "dar" aulas. Isso em função de ações do governo mineiro , o salário dispença comentários, agora a efetivação de pessoal não concursados e esse enquadramento em uma lei de 2008 que ocorrera em 2011 e com um salário ainda baixo são abusos. Recomendo vamos buscar outras alternativas.
0 #7 Marivalda Dietrich Boasquives 31-07-2010 18:04
Eu estou desiludida com a proposta do governo da acabar com as vantagens, incorporando ao salario base,não acho justo que um porfessor com 22 anos de estado ganhe o mesmo que um que, entrou agora, isto tem que ser revisto.
0 #6 MARISE D EFATIMA NETO DE OLIVEIRA 11-07-2010 16:45
CREIO QUE O PROFESOR DEVE DEIXAR A CARREIRA E IR SER JOGADOR DE FUTEBOL, ARTISTA OU MODELO RSRSRSRSRSRSSR
0 #5 edson 04-07-2010 03:32
Eu estou desiludido com a proposta do governo da acabar com as vantagens, incorporando ao salario base,não acho justo que um porfessor com 20 anos de estado ganhe o mesmo que um que, entrou agora, isto tem que ser revisto.
0 #4 Canisio Cezar Moreira 01-07-2010 03:45
Não há como garantir uma educação de qualidade de não houver a valorização dos profissionais da educação. Atualmente para atuar como educador é necessário ter as habilitações devidas, ou seja a licenciatura plena para o cargo. Hoje em dia qualquer funcinário tipo balconista de loja com apenas o primeiro grau (sem querer desmerecer)se compara ao professor em salário. Nos ultimos anos a carga de trabalho, a burocracia e a cobrança às escolas tem aumentado muito porém quando se refere a salário ninguém quer discutir seriamente. Esperamos que a assembléia através dos deputados levantem a bandeira dos professores de Minas.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Nós apoiamos

Nossos parceiros