Veja mais Agência DIAP

'Folha' desperdiça pauta para falar mal do sindicalismo

Share

Bernardo Joffily*

Ter uma boa pauta e fazer o dever de casa nem sempre produz uma boa matéria jornalística. Um exemplo é manchete da Folha de S.Paulo deste domingo (1º) - Crise revela despreparo de sindicatos. A matéria das jornalistas Fátima Fernandes e Claudia Rolli ouviu gente que entende de sindicalismo, porém parece que não escutou o que têm a dizer. Sua conclusão é a que deve ter sido encomendada pelo pauteiro: as centrais são "despreparadas", "enferrujadas", "atreladas ao Governo Lula"... e ganham dinheiro demais.

Os dois acadêmicos entrevistados - Ricardo Antunes e Wilson Amorim - são estudiosos reconhecidos do movimento sindical brasileiro. E as repórteres ouviram diligentemente os presidentes de cada uma das centrais sindicais. Como então o resultado saiu tão pobre e distante dos dramas reais que acometem o sindicalismo?

Um tema visto com binóculos ao contrário
Possivelmente é a redação da Folha que está "enferrujada" em sua cobertura do movimento sindical. Décadas de menosprezo pelo tema agravaram uma falta de intimidade com o tema que sempre existiu.

O resultado é uma reportagem que não cumpre o que promete na manchete: "Crise revela". O tema parece estar sendo visto através de binóculos ao contrário, em que mal se consegue distinguir os personagens e muito menos o cenário. As declarações entre aspas parecem escolhidas a dedo para expressar, não a essência do que pensa o entrevistado, mas as teses preconcebidas pela pauta.

Temas candentes ignorados
Por exemplo: o tema "crise do movimento sindical" povoa há décadas o debate entre as organizações de trabalhadores. Provocado por uma síndrome que inclui mudanças no processo produtivo e em todo o mundo do trabalho, um novo perfil da classe trabalhadora, a derrota da experiência socialista soviética e a ofensiva neoliberal, ele tem dado o que falar tanto no Brasil como no mundo inteiro. Na matéria da Folha, porém, não merece uma palavra.

Tampouco há menção ao fato - historicamente provado por incontáveis crises do capitalismo aqui e alhures - de que a crise é um cenário desfavorável para as lutas e organizações dos trabalhadores, roubando suas energias através do mecanismo perverso dos desemprego. A matéria repassa uma visão ingênua de que, se o trabalhador está se dando mal, as lutas não pipocam por uma questão de "despreparo".

A matéria é honesta o bastante para registrar que "as centrais, assim como as empresas, foram pegas de surpresa" pela atual crise mundial capitalista - a idéia parece ser de Antunes. Mas a honestidade não chega a ponto de completar a lista dos surpreendidos, agregando, por exemplo, os economistas, a mídia em geral e a Folha de S.Paulo em particular.

Uma questão atualíssima é mencionada de passagem em outra frase de Antunes: quem deve ser "penalizado pela crise"? É um tema de real interesse econômico, social e humano. O terrorismo patronal que se alastra pelas empresas em nome da crise permitiria denúncias contundentes. O caso da Embraer é apenas um entre muitos. Mas claro que também não é esse o foco da Folha, já que levaria os patrões e não os sindicatos para o banco dos réus.

O "atrelamento" ao Governo Lula
Por fim, mas não por último, pois se trata de um ponto de evidente interesse para a Folha, é o ''atrelamento'' das centrais ao Governo Lula. Na matéria, ele aparece como uma atitude venal: a explicação seria que as centrais receberam em 2008 uma fatia de R$ 56 milhões do imposto sindical.

Também aqui há uma boa pauta desperdiçada. Por que a Força Sindical, criada em 1991 dentro da base sindical de apoio a Fernando Collor, adepta da candidatura presidencial de José Serra em 2002 e de Geraldo Alckmin em 2006, passou para a base de Lula?

E por que a Conlutas, situada na extrema esquerda do espectro político-sindical, diante do facão da Embraer saiu-se logo com um pouco usual pedido de audiência no Planalto? Haverá quem sabe alguma relação com o fato do presidente ser um torneiro-mecânico, um ex-líder sindical e grevista? O que isso muda na prática concreta e no imaginário da classe?

Não se espere muito do jornal da "ditabranda" em matéria de cobertura sindical. Mas até para quem adota a linha editorial do antissindicalismo era de se esperar menos superficialidade na abordagem de uma pauta que vale a pena e veio para ficar.

(*) Jornalista, é editor do Portal Vermelho

Agenda Política

Representantes da centrais debatem a reforma com relator da matéria
Reunião marcada para as 10h, na residência oficial do presidente do Senado
Esta vai ser a 1º audiência pública realiza pela comissão especial
Seminário de lançamento, com mais de 200 parlamentares, na quarta (8)
Comissão mista do Congresso poderá debater parecer favorável do relator
Comissão mista do Congresso pode votar parecer favorável do relator
Comissão mista do Congresso poderá ser instada nesta quarta-feira (8)
Agenda completa

Notícias

Veja mais notícias

Publicações do Diap

  1. Estudos Políticos
  2. Quem foi Quem
  3. Estudos Técnicos
  4. Cabeças do CN
  5. Educação Política
Veja mais publicações

Canal Diap

Acessar o canal

Nós apoiamos

Nossos parceiros