Veja mais Agência DIAP

Empréstimos poderiam ser até 82% mais baratos, diz Anefac

Share

Alvo de pressão do Governo para facilitar crédito, margem que bancos cobram nos juros está em 45% ao ano. Ideal seria 17,75%

O spread bancário, que é a diferença entre a taxa paga pela instituição financeira para captar recursos e os juros finais cobrados do consumidor, está na mira do governo, que vem estudando formas de forçar os bancos a reduzi-lo. Isto porque, se esta margem cair, as linhas de crédito ficam mais baratas. Mas qual seria o spread ideal no Brasil? A média hoje é de 45,1% ao ano.

E, de acordo com estudo feito pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a taxa mais conveniente seria de 17,75% ao ano, em média, cinco pontos percentuais acima da taxa básica de juros (a Selic), hoje em 12,75% anuais. Dessa forma, o custo ao fim do pagamento das prestações em modalidades como cartão de crédito e cheque especial teriam um alívio de quase 82%, apontam cálculos de especialistas.

Economistas ponderam, no entanto, que esse spread tido como ideal poderia aumentar o nível de inadimplência, principalmente, em linhas consideradas emergenciais, como o cheque especial, já que o brasileiro não tem o hábito de poupar. Porém, há quem acredita que o fomentador do calote é exatamente o alto custo do dinheiro. O spread médio de 41,5% ao ano em operações para as pessoas físicas, e os juros reais (acima da inflação), em 7,6% anuais, são hoje os maiores do mundo.

Miguel José Ribeiro de Oliveira, vice-presidente da Anefac, ressalta que o spread ideal no Brasil teria de ser igual ao de países da Europa e dos Estados Unidos, onde a média é de cinco pontos acima da taxa básica de juros. Ele ressalta que as altas taxas repassadas pelos bancos ao consumidor final prejudicam o orçamento das famílias. Oliveira cita o caso de algumas linhas, como o crédito rotativo do cartão de crédito, no qual o spread é de 220% ao ano. O mais viável, continua, seria uma diferença de 30% entre as taxas.

"Mas os bancos alegam que é impossível, pois o custo alto do dinheiro e as projeções de crescimento de inadimplência impedem uma redução das taxas", ressalta Oliveira.

Segundo cálculos feitos pelo professor Gilberto Braga, do Ibmec-RJ, o spread menor dos empréstimos feitos no cartão de crédito faria os juros anuais da linha passarem de 233,56% para 43% ao ano. Com isso, o custo final de um financiamento de R$ 900 dividido em 12 meses passaria de R$ 7.604,27 para R$ 1.373,16. Ou seja, uma redução de quase 82%.

Já no caso de um empréstimo de R$ 2,5 mil no crédito pessoal por um ano, os juros seriam reduzidos de 93% ao ano para 41%. Nesse caso, o custo final na linha teria uma queda de 39%, pois o valor pago após 12 meses cairia de R$ 6.122,76 para R$ 3.741,33.

"Em tese, o juro menor pode favorecer o endividamento. Mas não devemos temer isso. É importante que os brasileiros tenham um consumo responsável. O atual spread é praticamente impagável para o cidadão comum. Uma taxa ideal só seria possível se houvesse um volume suficiente para baratear o uso da linha", analisa Braga.

Ele ressalta que as linhas chamadas de emergenciais, caso do cheque especial, por exemplo, devem ter juros maiores para serem usadas em ocasiões específicas e não a qualquer momento. Porém, Jason Vieira, economista-chefe da Uptrend Consultoria, não concorda. Segundo ele, o motivo para uma inadimplência tão alta hoje é justamente o alto custo do financiamento, que se torna, continua, insustentável para diversas famílias. Em 2008, o calote aumentou 8%, revelou a Serasa Experian.

"Cinco pontos acima da Selic é um patamar ideal para a diferença entre o custo de captação e o que é repassado ao consumidor. Há condições para a redução sim, mas os bancos alegam vários problemas que impedem a redução, como a inadimplência e o custo fiscal. O ideal era que os bancos federais entrassem nessa briga e reduzissem suas taxas para estimular a competição", afirma Vieira.

Segundo o Banco Central, o spread é composto por custo administrativo (13,5%), inadimplência (37,35%), compulsório (3,59%), tributos (8,09%), outros impostos (10,53%) e margem líquida dos bancos (26,93%). Nos dois últimos meses do ano passado, houve forte alta no spread devido à crise global. (Fonte: O Globo)

Agenda Política

Representantes da centrais debatem a reforma com relator da matéria
Reunião marcada para as 10h, na residência oficial do presidente do Senado
Esta vai ser a 1º audiência pública realiza pela comissão especial
Seminário de lançamento, com mais de 200 parlamentares, na quarta (8)
Comissão mista do Congresso poderá debater parecer favorável do relator
Comissão mista do Congresso pode votar parecer favorável do relator
Comissão mista do Congresso poderá ser instada nesta quarta-feira (8)
Agenda completa

Notícias

Veja mais notícias

Publicações do Diap

  1. Estudos Políticos
  2. Quem foi Quem
  3. Estudos Técnicos
  4. Cabeças do CN
  5. Educação Política
Veja mais publicações

Canal Diap

Acessar o canal

Nós apoiamos

Nossos parceiros