Veja mais Agência DIAP

Decreto: aviso prévio indenizado deixa de ser isento de INSS

Share

Decreto é polêmico, porque não previu expressamente que a parcela irá compor a base de cálculo do INSS

O Governo Federal excluiu das hipóteses de isenção do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) os valores correspondentes ao aviso prévio indenizado, no mês passado, por meio do Decreto 6.727/09.

O aviso prévio indenizado se faz necessário quando a empresa demite um empregado sem justa causa e não quer que ele trabalhe no período do aviso prévio, que é de 30 dias.

"Essa situação é muito comum. Depende da forma como o contrato de trabalho foi rescindido. Talvez a empresa prefira, com a medida, evitar um clima negativo entre empresa e empregado", explica a consultora trabalhista e previdenciária da FiscoSoft, Yone Wauke.

Polêmica
O tema é polêmico no meio jurídico. Isso porque a legislação previdenciária prevê que toda remuneração paga ao trabalhador seja tributada para o INSS, e o aviso prévio indenizado, conforme entendimento de alguns juristas, não possui natureza remuneratória.

De acordo com esse entendimento, o montante correspondente aos 30 dias de aviso prévio que não são trabalhados não se referem a salário, e sim a uma indenização. É como se a empresa estivesse reparando um dano ou prejuízo causado ao trabalhador, de maneira que o aviso prévio indenizado estava excluído expressamente da tributação do INSS.

Nesse sentido, o Decreto 3.048, de 1999, que aprovou o Regulamento da Previdência Social, listou parcelas que não poderiam ser base de cálculo do INSS; entre elas, estava justamente o aviso prévio indenizado.

Porém, o Decreto 6.727, publicado no mês passado, simplesmente revogou esse dispositivo de 1999. Dessa forma, o aviso prévio indenizado foi excluído das possibilidades de isenção.

A questão é que o texto atual traz todas as hipóteses expressas de incidência do tributo, mas o aviso prévio indenizado não aparece entre elas.

"Com isso, o Decreto 6.727 estaria infringindo o princípio da legalidade na área tributária, segundo o qual somente pode-se cobrar ou aumentar tributos por expressa disposição legal. Assim, ele dá margens para discussões", explica a consultora.

Desestímulo para rescisões contratuais
"É possível que o governo pretendesse, com a medida, minimizar os efeitos negativos da crise quanto ao número de desemprego, onerando, desta maneira, as empresas que demitem sem justa causa", afirma Yone.

Entretanto, a eficácia do decreto é questionável. Para a consultora da FiscoSoft, a questão é que a empresa terá de arcar com custos de qualquer maneira. Isto é, se uma organização passa por problemas financeiros, ela pode optar por demitir e arcar com os gastos do aviso prévio indenizado ou manter o funcionário e arcar com salários e demais remunerações ao trabalhador, sem ter condições para tal.

"Às vezes, a necessidade de rescindir o contrato de trabalho, por conta do caixa deficitário, pode ser muito maior. Assim, a tributação sobre o aviso prévio indenizado não necessariamente inibe as dispensas", finaliza. (Com InfoMoney)

Clique aqui e conheça a íntegra do decreto presidencial

Agenda Política

Representantes da centrais debatem a reforma com relator da matéria
Reunião marcada para as 10h, na residência oficial do presidente do Senado
Esta vai ser a 1º audiência pública realiza pela comissão especial
Seminário de lançamento, com mais de 200 parlamentares, na quarta (8)
Comissão mista do Congresso poderá debater parecer favorável do relator
Comissão mista do Congresso pode votar parecer favorável do relator
Comissão mista do Congresso poderá ser instada nesta quarta-feira (8)
Agenda completa

Notícias

Veja mais notícias

Publicações do Diap

  1. Estudos Políticos
  2. Quem foi Quem
  3. Estudos Técnicos
  4. Cabeças do CN
  5. Educação Política
Veja mais publicações

Canal Diap

Acessar o canal

Nós apoiamos

Nossos parceiros