Veja mais Agência DIAP

Centrais e federações lançam 'Manifesto contra a Crise'

Share

Com ataques dirigidos à elevadíssima taxa básica de juros (Selic) adotada no Brasil, foi laçado nesta segunda-feira um Manifesto contra a Crise, assinado por "centrais, federações e sindicatos de trabalhadores e as federações de sindicatos empresariais".

As entidades cobram a redução da Selic dos atuais 12,75% para "um patamar de 8% ao ano", além de um intervalo menor entre as definições das taxas "enquanto perdurar a crise".

As entidades pedem ainda que haja redução nos spreads bancários, sobretudo de bancos estatais, e que seja ampliado os integrantes do Conselho Monetário Nacional (CMN), de três para sete membros, com a participação de outras áreas do governo, de acadêmicos e de representantes dos setores produtivos.

O texto contém a assinatura de todas as centrais sindicais legalizadas no Brasil, com exceção da CUT, que mais uma vez procura um caminho alternativo e isolado. Em contrapartida, os presidentes das federações paulistas da Agricultura, do Comércio e das Indústrias aderiram à carta. (Com agências)

Veja abaixo a íntegra do texto.

"Manifesto contra a crise

Na Seqüência dos entendimentos que as centrais, federações e sindicatos de trabalhadores e as federações de sindicatos empresariais, têm promovido desde o ano passado no sentido de analisar a crise Internacional e os seus efeitos negativos no Brasil - sempre objetivando oferecer sugestões capazes de manter o nível de emprego no País - as entidades que assinam este documento estabelecem um histórico entendimento com foco em quatro pontos principais:

- Que seja acelerada a queda na taxa básica de juros (Selic), alcançando, o quanto antes, um patamar de 8% ao ano, (aproximadamente 3% de juros reais);

- Que as reuniões do Copom, do Banco Central (BC), destinadas a debater e determinar a Selic, sejam a cada 15 dias - enquanto perdurar a crise;

- Que sejam reduzidos drasticamente os spreads bancários, em especial os dos bancos estatais que, hoje, estão entre os mais altos praticados no País; e

- Que seja ampliado o número de integrantes do Conselho Monetário Nacional (CMN), de três para sete membros, abrindo o órgão à participação de outras áreas do Governo, da área acadêmica e das forças produtivas.

A sociedade brasileira espera do Governo medidas práticas e imediatas para combater a crise, evitando a ampliação de suas conseqüências sobre o nosso país. Precisamos impedir o desemprego e defender o futuro do Brasil.

São Paulo, Capital, 26 de janeiro de 2009.

Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB)
Antonio Fernandes dos Santos Neto - Presidente

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)
Wagner Gomes - Presidente

Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (Faesp)
Fabio Meirelles - Presidente

Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio)
Abram Szajman - Presidente

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)
Paulo Skaf - Presidente

Força Sindical
Paulo Pereira da Silva (Paulinho) - Presidente

Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST)
José Calixto - Presidente

União Geral dos Trabalhadores (UGT)
Ricardo Patah - Presidente"

Agenda Política

Representantes da centrais debatem a reforma com relator da matéria
Reunião marcada para as 10h, na residência oficial do presidente do Senado
Esta vai ser a 1º audiência pública realiza pela comissão especial
Seminário de lançamento, com mais de 200 parlamentares, na quarta (8)
Comissão mista do Congresso poderá debater parecer favorável do relator
Comissão mista do Congresso pode votar parecer favorável do relator
Comissão mista do Congresso poderá ser instada nesta quarta-feira (8)
Agenda completa

Notícias

Veja mais notícias

Publicações do Diap

  1. Estudos Políticos
  2. Quem foi Quem
  3. Estudos Técnicos
  4. Cabeças do CN
  5. Educação Política
Veja mais publicações

Canal Diap

Acessar o canal

Nós apoiamos

Nossos parceiros