Veja mais Agência DIAP

Legislatura 2015-2019

Share

DIAP divulga “Mapa de Votações” da atual legislatura

O DIAP divulga, o “Mapa de Votações” referente à atual legislatura (55ª), que se iniciou em 2015 e terminará em 2019, reunindo as principais votações nominais ocorridas no período na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Este trabalho reúne 136 votações, sendo 114 na Câmara dos Deputados e 29 no Senado Federal. Para se chegar às 136 votações deste levantamento, foram avaliadas 1.429 deliberações nominais no Congresso Nacional, das quais 957 na Câmara dos Deputados e 472 no Senado Federal. Leia mais

__________________________________________

Veja abaixo extrato das 10 principais votações, com seus respectivos resultados:

Mapa das principais votações, por estado, na Câmara dos Deputados, da atual legislatura. Abaixo pode-se ler detalhes dessas votações, como datas, número da lei ordinária ou da emenda constitucional em que foi transformada a iniciativa legislativa e as listas dos votos oficiais pelos portais da Câmara e também do Senado Federal.

O DIAP preparou a explicação de cada matéria do levantamento — com as principais votações da atual legislatura (2015-2019) — para que se possa aferir a atuação dos deputados e senadores sobre os temas elencados:

1) impeachment da presidente Dilma Rousseff
O processo iniciou-se com a aceitação, em 2 de dezembro de 2015, pelo então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de denúncia por crime de responsabilidade oferecida pelo procurador de Justiça aposentado Hélio Bicudo e pelos advogados Miguel Reale Júnior e Janaina Paschoal, que Câmara recebeu e autorizou instauração de processo, por 367 votos a favor e 137 contra, e se encerrou com votação no Senado, no dia 31 de agosto de 2016, resultando na cassação do mandato de Dilma. A presidente perdeu o mandato em votação por 61 votos favoráveis ao impeachment e 21 contrários. Na votação que tratou da inabilitação de Dilma para funções públicas, o Senado manteve os direitos políticos da petista em votação com placar 42 de votos favoráveis à aplicação da pena, 36 contrários e 3 abstenções. Leia as notas taquigráficas da sessão do Senado que concluiu pela cassação da presidente. Assim, Dilma tornou-se a 2ª pessoa a exercer o cargo de presidente da República a sofrer impeachment no Brasil. O ex-presidente e atual senador Fernando Collor de Mello foi o 1º, em 1992.

2) cassação do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)
No dia 12 de setembro de 2016, a Câmara dos Deputados cassou, por 450 votos a favor, 10 contra e 9 abstenções, o mandato do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acusado de quebra de decoro parlamentar por ter mentido à CPI da Petrobras ao negar a existência de contas bancárias na Suíça. O processo contra o ex-deputado durou 11 meses. Ele fica inelegível até 2027. Leia mais

3) pré-sal
A Câmara dos Deputados aprovou, no dia 5 de outubro de 2016, o PL 4.567/16 (PLS 131/15), do senador José Serra (PSDB-SP), que desobrigou a Petrobras de ser a operadora única dos blocos de exploração do pré-sal no regime de partilha de produção. Na votação, foram 292 votos a favor do projeto e 101 contra. Sancionado, foi transformado na Lei 13.365/16. Leia mais

No Senado, o projeto foi aprovado no dia 24 de fevereiro de 2016 por 40 a 26 e 2 abstenções. Lei mais

4) terceirização da mão de obra
A Câmara dos Deputados aprovou, no dia 22 de março de 2017, por 232 votos favoráveis, 188 contrários e 8 abstenções, o PL 4.302/98, que permite a terceirização da mão de obra em todas as áreas (atividade-fim e atividade-meio) das empresas. Foi aprovado substitutivo do Senado para a matéria, que também aumentou de 3 para 6 meses o tempo do trabalho temporário, prazo que pode ser alterado por meio de acordo ou convenção coletiva de trabalho. Enviado à sanção presidencial foi transformado na Lei 13.429/17. Leia mais

5) 1ª denúncia do presidente Temer
O plenário da Câmara dos Deputados rejeitou, no dia 2 de agosto de 2017, por 263 votos a 227 e 2 abstenções, a autorização para o Supremo Tribunal Federal (STF) abrir processo criminal contra o presidente da República, Michel Temer, por crime de corrupção passiva, seguindo parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Leia mais

6) 2ª denúncia do presidente Temer
Pela 2ª vez (a 1ª foi em agosto), a Câmara dos Deputados recusou, no dia 25 de outubro de 2017, autorização (SIP 2/17) para o Supremo Tribunal Federal (STF) processar, por crime comum, de organização criminosa e obstrução de Justiça o presidente Michel Temer (PMDB) e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral). Com 251 votos a 233, o plenário acompanhou o relatório da CCJ, do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG). O pedido de autorização foi arquivado. Leia mais

7) Reforma Trabalhista
No dia 26 de abril de 2017, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou o PL 6.787/16, por 296 a 177. No Senado, a matéria tramitou como Projeto de Lei da Câmara (PLC) 38/17. Foi aprovado no dia 11 de julho de 2017, por 50 a 26 e 1 abstenção. O projeto de lei foi transformado (sancionado) na Lei 13.467/17, em 13 de julho de 2017. Entrou em vigor no dia 11 de novembro de 2017. Conheça a Cartilha do DIAP, com perguntas e respostas sobre o tema. Leia mais

8) Teto de Gastos Públicos
A Câmara dos Deputados aprovou, no dia 10 de outubro de 2016, por 366 votos a 111, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/16, do Poder Executivo, que cria um teto de despesas primárias federais reajustado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O texto aprovado foi o substitutivo da comissão especial, de autoria do deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS). No Senado, o texto tramitou como PEC 55/16, e foi aprovado em 1º turno, em 29 de novembro de 2016, por 61 a 14. Leia mais

No 2º turno, a proposta foi aprovada em 13 de dezembro de 2016, por 53 a 16. Leia mais 

Promulgada pelo Congresso Nacional no dia 15 de dezembro de 2016, foi transformada na Emenda à Constituição (EC) 95/16.

9) MP das Petroleiras
Por 208 votos favoráveis e 184 contrários, a Câmara dos Deputados aprovou, no dia 29 de novembro de 2017, o texto-base da Medida Provisória (MP) 795/17, que estabelece redução de tributos às petrolíferas estrangeiras na exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural (entenda a MP). O pacote de bondades significará renúncia de receitas na ordem de R$ 50 bilhões por ano. Como a MP foi alterada se transformou no Projeto de Lei de Conversão (PLV) 36/17.

Segundo o texto, as empresas ficam isentas de pagamento do imposto de importação, do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), e das respectivas contribuições para o Programa de Integração Social e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep-Importação), e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins-Importação). Quando enviada pelo governo Temer, a proposta suspendia os tributos somente até 31 de julho de 2022. Ao relatar a matéria, porém, o deputado Júlio Lopes (PP-RJ) ampliou o prazo para 2040, o que deve acarretar em perdas somadas da ordem de R$ 1 trilhão em receitas que deveriam ser destinadas à União – cerca de R$ 50 bilhões por ano. Leia mais

A MP 795/17, convertida no Projeto de Lei de Conversão (PLV) 36/17, foi aprovado no Senado no dia 12 de dezembro de 2017, com alteração, por 27 votos a 20, o que obrigou o retorno da proposta aos deputados. Leia mais

O texto foi alterado pelo Senado e devolvido à Câmara. Por 206 votos a 193, os deputados rejeitaram, no dia 13 de dezembro, emenda do Senado, que foi aprovada na terça-feira (12) durante votação de plenário, e que poderia ter levado à perda de vigência da MP 795/17, cuja tramitação precisava ser concluída no Congresso até o dia 15. O dispositivo, formalizado pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), visava limitar a 31 de julho de 2022 os benefícios fiscais concedidos pelo Brasil a empresas petrolíferas estrangeiras que atuarão em blocos das camadas pré-sal e pós-sal, inclusive por meio de isenções para importação de máquinas e equipamentos. Encerrada a deliberação na Câmara, o texto segue para sanção presidencial. Leia mais

10) Reforma Política: “distritão”
A Câmara dos Deputados rejeitou, em votação no dia 19 de setembro de 2017, a proposta (PEC 77/03) que transformava o atual sistema eleitoral no “distritão” em 2018 e no "distrital misto", em 2022. A mudança valeria para escolha de deputados e vereadores. A proposta recebeu 238 votos contra e apenas 205 a favor. Faltaram 103 votos. Para ser aprovada precisaria de no mínimo 308 votos. Leia mais

Levantamento: Como seria a Câmara, sob o “distritão” ou sem coligação

Agenda Política

Leia o que foi deliberado nesta semana pelos colegiados temáticos
Veja o que poderá ser deliberado nesta semana pelos colegiados temáticos
Leia o que foi deliberado nesta semana pelos colegiados temáticos
Veja o que poderá ser deliberado nesta semana pelos colegiados temáticos
Leia o que foi deliberado nesta semana pelos colegiados temáticos
Veja o que poderá ser deliberado nesta semana pelos colegiados temáticos
Veja o que poderá ser deliberado nesta semana pelos colegiados temáticos
Agenda completa

Notícias

Veja mais notícias

Publicações do Diap

  1. Estudos Políticos
  2. Quem foi Quem
  3. Estudos Técnicos
  4. Cabeças do CN
  5. Educação Política
Veja mais publicações

Canal Diap

Acessar o canal

Nós apoiamos

Nossos parceiros